24 junho, 2016

Epígono [ Ἐπίγονοι ]

O Epígono [ Ἐπίγονοι ] é um poema épico perdido do Ciclo de Tebas, parte do Ciclo Épico, dos quais hoje permanecem apenas alguns fragmentos e um resumo parcial de atribuição duvidosa. O poema, teria cerca de 7.000 versos, foi em tempos antigos atribuído a Homero, mas Heródotos duvidava disto, atribuiu o trabalho a uma tal de "Antímaco", provavelmente Antímaco de Teo.

Enredo - O poema, a continuação da Tebaida, conta a história dos filhos dos Sete Guerreiros Argives que em Tebas falharam no assalto da cidade e que morreram, ou em batalha, ou por castigo das divindades.

Dez anos depois, os filhos desses guerreiros, chamados de Epígonos, mais uma vez tentam o empreendimento. Estes são:

• Líderes, Alcmaeon e Amphilocus (filhos de Amphiaraus)
• Egialeo (filho de Adrastos, falecido Rei de Argos)
• Diomédes (filho de Tydeus/Tideo)
• Promaco (filho de Partenopeo)
• Sthenelus (filho de Capaneus)
• Thersandros (filho de Polinices, filho de Édipo, irmão de Eteócles, os irmãos se mataram pelo trono de Tebas)
• Euryalus (filho de Mecisteus)

O exército de Tebas liderado pelo Rei Laodamas, filho de Eteócles, devasta as aldeias e campos em torno de Tebas, o exército dos Epígonos encontra o de Tebas em Glissa [ 8 quilômetros de Tebas ]. Laodamas consegue matar Egialeo (um dos Epígonos a cair), mas é morto por Alcmaeon, eo exército de Tebas é forçado a recuar para a cidade. Tirésias, um "adivinho cego", prevê a queda de Tebas e encoraja os cidadãos a fugirem. Assim, os Tebanos abandonam a sua cidade, parte vai para a Tessália, outros para Ilíria. O próprio Tirésias abandona a cidade, chegando a fonte Telfussa, onde morre. No dia seguinte os Epígonos tomam posse da cidade, saqueando-a. Eles capturam a filha de Tirésias, Manto, ea enviam para o oráculo de Apolo em Delfos. O assalto que dez anos antes havia falhado, teve resultado vitorioso.
"Em relação às pessoas hiperbóreas, nem os cito, nem quaisquer outro habitante destas terras que nada nos dizem, exceto, talvez, o Issedones. E, eu acho que, mesmo eles não dizem nada; porque, se o fizessem, em seguida, os citaria, também, teria dito, como eles dizem dos homens de um olho só. Mas Hesíodo fala dos hiperbóreos, e Homero também em seu poema dos Filhos dos Heróis, se for realmente um trabalho de Homero." Heródotos, História Hdt. 4.32.1


Fragmento I
Próximo (Homero compôs), o Epígono com sete mil versos, começando:

"E agora, Musas, vamos começar a cantar os homens mais jovens." Disputa de Homero e Hesíodo, 324

Fragmento II
Teumessia. Aqueles que escreveram sobre os assuntos de Tebas tem dado um relato completo da Raposa Teumessiana. Eles relatam que a criatura foi enviada pelos deuses para punir os descendentes de Cadmos, e que, portanto, os tebanos excluíram aqueles da casa de Cadmos do reinado. Mas (diz ele) um certo Céfalo, filho de Deion, um ateniense, que era dono de um cão do qual nenhum animal jamais tinha escapado, acidentalmente matou a sua esposa Procris, e sendo purificado[absolvido] do homicídio pelos Cadmeanos, tendo que caçar a raposa com seu cão, e quando eles já tinham capturado, tanto cão, como a raposa foram transformados em pedras perto de Teumessus. Estes escritores têm tomado a história do ciclo Épico. Photius, Definição de "Teumessia"
"Nesta estrada, há um lugar chamado Teumessus, onde é dito que Europa ficou escondida de Zeus. Há também uma outra lenda, que conta a história de uma raposa chamada a raposa Teumessiana, quando devido à ira de Dionísio, o animal foi criado para destruir os tebanos, e como, quando estava prestes a ser apanhada pelo cão dado por Ártemis a Procris, a filha de Erechtheus, a raposa foi transformada em pedra, igualmente o cão. Em Teumessus há também um santuário de Athena Telchiniana, que não contém nenhuma imagem. Quanto ao seu sobrenome, podemos arriscar a conjectura de que foi uma divisão das Telchinianas que antes habitavam o Chipre que vieram para a Beócia e estabeleceram ali um santuário para a Athena Telchiniana."
Pausânias, Descrição da Grécia [ Paus. 9.19.1 ]

"Amphitryon foi com Alcmena e Licymnius para Tebas e foi purificado por Creon, que deu sua irmã Perimede para Licymnius. E, como Alcmena disse que iria se casar com ele quando ele vingasse a morte de seus irmãos, Amphitryon contratado para fazê-lo, empreendeu uma expedição contra os Teleboanos, e convidou Creon para ajudá-lo. Creon disse que iria juntar-se à expedição se Amphitryon em primeiro lugar se livra a Cadméia da Raposa; uma brutal raposa que estava devastando a Cadméia. Mas, embora Amphitryon assumisse a tarefa, ele estava predestinado a não pegá-la. Quando o país sofria, assim, os Tebanos a cada mês sacrificavam um filho de um dos seus cidadãos para a besta, ela levaria muitos se nada fosse feito. Então Amphitryon dirigiu-lhe a Céfalo, filho de Eioneu, em Athenas, e persuadiu-o, em troca de uma parte dos despojos Teleboanos para perseguir com o cachorro que Procris tinha trazido de Creta, por dom de Minos: O cão estava destinado a pegar o quê perseguir. Portanto, quando a raposa foi caçada pelo cachorro, Zeus transformou ambos em pedra."
Apollódoros, Library [ Apollod. 2.4 ]
Fragmento III
Os autores dos Thebaïs(Tebaida) dizem que Manto, filha de Tirésias foi enviada para Delfos pelos Epígonos como primeiro fruto dos seus despojos, e que, de acordo com um oráculo de Apolo ela saiu e encontrou Rhaecius , filho de Lebes, um da raça micênica. Este homem que ela casou - pelo oráculo também continha o comando que ela deveria se casar com quem ela encontra-se - e chegando a Colophon, ficou muito abatida e chorou pela destruição de seu país. Escoliastes in Apollonius, Argonáutica 1.308
"Depois de viajarem para longe, os Tebanos construíram a cidade de Hestiaea e assumiram sua morada lá. Mas os Argives, ao saber da saída dos Tebanos, entraram na cidade e recolheram os espólios e derrubaram as Muralhas. Mas eles enviaram uma parte dos espólios para Apolo em Delfos e com eles Manto, filha de Tirésias; pois tinham prometido que, se eles dominassem Tebas, iriam dedicar-lhe o mais belo dos espólios.
Apollódoros, Library [ Apollod. 3.7 ]

Diomedes, Rei de Argos - cópia romana de uma estátua de Crésilas ca. 430 A.C.. Glyptothek, Munique.
📄 Diomédes, Rei de Argos - cópia romana de uma estátua de Crésilas c. 430 a.C.. Glyptothek, Munique.

Ciclo Épico [ Ἐπικός Κύκλος ]


[ A Guerra dos Titãs [ Τιτανομαχία ] ]

📄Fragmento I | 📄Fragmento II | 📄Fragmento III | 📄Fragmento IV | 📄Fragmento V | 📄Fragmento VI | 📄Fragmento VII | 📄Fragmento VIII

[ Ciclo de Tebas [ Θηβαϊκὸς Κύκλος ] ]

📄A História de Édipo [ Oedipodea ] | 📄A Tebaida [ Θηβαΐς ] | 📄Epígono [ Ἐπίγονοι ]

[ Ciclo de Tróia [ Ἰλίου Κύκλος ] ]

[ Cantos Cípricos ou Cípria [ Κύπρια ] ] 📄Fragmento I | 📄Fragmentos II-III-IV | 📄Fragmentos VII-XIV | 📄Fragmentos XV-XXII
📄Etiópida [ Αἰθιοπίς ] | 📄A Pequena Ilíada [ Ἰλιὰς μικρά ] | 📄O Saque de Tróia [ πέρσις Ἰλίου ] | 📄Nóstoi [ Νόστοι ] | 📄Telegonia [ Τηλεγόνεια ]