04 julho, 2016

A Pequena Ilíada [ Ἰλιὰς μικρά ]


Menelau, pelo menos, quando ele teve um vislumbre de alguma forma dos seios nus de Helena, jogou fora a sua espada, pensando nele.
📄 "Menelau, pelo menos, quando ele teve um vislumbre de alguma forma dos seios nus de Helena, jogou fora a sua espada, pensando nele."

A Pequena Ilíada [ Ἰλιὰς μικρά= Ilias Mikra; Latim= Ilias Parva ] Épico perdido da antiga literatura grega do Ciclo Épico, pertencente ao Ciclo Troiano, contaria toda a história da Guerra de Tróia em versos, vindo cronologicamente depois da Etiópida, e é seguido pelo Iliou Persis ( "Saque de Tróia" ), sendo atribuída pelos escritores antigos a Lescheos/Lesches de Pirra, Cinaethon de Esparta, Diodoro de Erythrae, Thestorides de Phocaea, ou Homero, composta por quatro livros de verso, provavelmente realizada na segunda metade do século VII a.C., mas há muita incerteza das antigas fontes que datam Lesches do século VII a.C., mas é típico para escritores antigos serem colocados, às vezes, séculos antes do quê realmente viveram.
Benjamin West (1738–1820) [ Tétis trazendo a Armadura de Achilles ] (1806) New Britain Museum of American Art Ahmanson Building, floor 3
📄 Benjamin West (1738–1820)
[ Tétis trazendo a Armadura de Achilles ] (1806)
New Britain Museum of American Art

A Pequena Ilíada é um dos épicos mais bem atestado no Ciclo Épico: quase trinta linhas do texto original sobreviveram, no entanto, estamos quase que inteiramente dependente de um resumo dos épicos cíclicos contidos na Chrestomatheia/Chrestomathy atribuída ao desconhecido "Proclus/Proclos" (podendo ser identificada com o gramático do II século a.C., Eutychius Proclus) e com numerosas outras referências que dão indicações do enredo do poema, "um épico episódico em ritmo acelerado, com um terreno enorme para cobrir" [ Philip Holt ], usando a crítica de Aristóteles em Poética.
Benjamin West (1738–1820) [ Tétis trazendo a Armadura de Achilles ] (1804) Los Angeles County Museum of Art
📄 Benjamin West (1738–1820)
[ Tétis trazendo a Armadura de Achilles ] (1804)
Los Angeles County Museum of Art

A Pequena Ilíada abre com a "Disputa das Armas de Achilles" que deveriam pertencer ao maior herói grego vivo: A Disputa entre Ajax/Aias e Odysseus/Ulysses, que recuperaram o corpo de Achilles na batalha, com a ajuda de Athena, as Armas são concedidas a Odysseus e Ajax enlouquece e ataca o rebanho Aqueu, Odysseus, como um cretino de marca maior, fraudou a competição e Ajax enfurecido deve ter descontado a raiva quebrando algum palanque do potreiro e sofrido uma simulação de suicídio, de modo mais real. Posteriormente, com vergonha comete suicídio e é enterrado sem as devidas honras heróicas em um caixão, ao invés de ser cremado em uma pira funerária, "por causa da ira do Rei", Agamêmnon.

Calchas, o profeta grego, profetiza que a cidade de Tróia não irá cair, a menos que os gregos recuperem as Flechas de Héracles com Filoctétes, que foi deixado para trás em Lemnos, quando ele foi mordido por uma cobra venenosa, as mesmas flechas que foram usadas no extermínio dos Centauros, ou a fórmula do veneno em uma visão mais realística. De acordo com esta profecia, Odysseus e Diomédes foram para Lemnos para trazer de volta Filoctétes, que foi curado de sua ferida por Machaon. Filoctétes, então na luta, contra Páris em um único combate mata o Príncipe ladrão de Tróia. Após a morte de Páris, sua esposa Helena é disputada por Heleno/Helenus [ Oráculo/Profeta ] e Deífobo/Deiphobus [ Príncipe de Tróia, irmão de Páris ], Deiphobus vence e se casa com a cunhada. Heleno derrotado com raiva abandona Tróia e segue para o Monte Ida. Odysseus, que é uma figura recorrente de interesse na Pequena Ilíada, embosca o profeta Troiano Heleno e captura-o; Heleno então revela três novas profecias sobre as condições prévias para a conquista de Tróia, que a cidade não cairá enquanto ela abrigar o Palladium e as outras duas condições são que os ossos de Pélops sejam recuperados de Pisa, uma rival de Elis, e que Neoptolemus/Neoptolemos, filho de Achilles, fosse trazido para a guerra. Enquanto um navio dos Mycenaeanos navega para Pisa para trazer de volta os ossos de Pélops, Odysseus busca o filho de Achilles, Neoptolemos, para Tróia, entregaram-lhe a Armadura de Achilles, eo fantasma do pai aparece para ele. Quando o aliado Troiano, Eurypylus domina o campo de batalha, Neoptolemos o mata. Odysseus e Diomédes entram em Tróia disfarçados de mendigos, onde Helena os reconhece, mas mantém o segredo(mais um elemento para defender a teoria que Helena foi raptada em troca de Hesione [ Irmã de Príamo - princesa troiana, filha do Rei Laomedonte, que foi dada como despojo de guerra para Télamo por Héracles, Rei de Salamina, e com quem teve o filho Teucro ], além de mais um ato para aumentar a raiva Lacedômica pelo roubo de tesouros reais por Páris); Eles retornam em segurança com o Palladium, matando alguns Troianos no retorno.

Por iniciativa da deusa Athena, o guerreiro grego Epeius constrói o cavalo de madeira, e os gregos colocam os seus melhores guerreiros dentro dele, queimam o acampamento e retiram-se para as Ilhas Tenedos nas proximidades. Os troianos, acreditando que os Aqueus partiram, destroem uma seção da sua muralha para trazer o cavalo para dentro da cidade e comemoram a vitória aparente.

O surgimento dos heróis do cavalo ea destruição de Tróia pelos gregos, não parece ser contada na Pequena Ilíada, mas deixados para Iliou Persis. No entanto, um fragmento substancial que está atribuído à Pequena Ilíada descreve como Neoptolemos toma a mulher de Heitor, Andrômaca, a tornando cativa e matando o filho de Heitor, Astyanax (ainda bebê), jogando-o das muralhas da cidade. A Pequena Ilíada não parece ter sido redigida em uma única versão, de acordo com vários relatos de seus detalhes, que não podem serem seguramente harmonizadas.
Fragmento I [ Proclus, Resumo da Pequena Ilíada, atribuído a Lesches de Mytilene ]
[ A Pequena Ilíada, em quatro livros, segue a Aithiopis.]

Há a disputa pela armadura, e Odysseus ganha pelas maquinações de Athena, mas Ajax enlouquece e contaminou os rebanhos dos Aqueus e se matou. Após este, Odysseus em emboscada captura Heleno, e como resultado da profecia de Heleno sobre a conquista da cidade, Diomédes busca Philocthetes em Lemnos. Philocthetes fôra curado por Makhaon; Ele luta em um único combate com Alexandrus [ Páris ] eo mata. O cadáver é mutilado por Menelau, mas os troianos executam e cumprem os rituais fúnebres. Após este, Deífobo se casa com Helena. Odysseus busca Neoptolemos em Skyros; Dá-lhe a armadura de seu pai, e o fantasma de Achilles aparece para Neoptolemos. Eurypylos filho de Telephos vem em auxílio dos troianos como um aliado, e enquanto ele está tendo a sua ἀριστεία*, Neoptolemos o mata. Tróia fica sob cerco. Epeios constrói o cavalo de madeira, sob a direção de Athena. Odysseus, desfigurando-se, entra em Ilíon [ Tróia ] como um espião. Ele é reconhecido por Helena; em conjunto, eles planejam a captura da cidade. Odysseus mata vários Troianos e retorna aos navios. Após este Odysseus e Diomédes levam o Palladion de Ilíon. Os ἄριστοι** dos Acheus sobem no cavalo de madeira; O resto queima as suas tendas e navegam afastando-se para Tenedos. Os troianos concluem que eles foram libertados do cerco. Derrubam parte da muralha, eles aceitam o cavalo de madeira para dentro da cidade, e banquetearam como se tivessem conquistado os Aqueus.
* ἀριστεία : O prêmio de melhor e mais bravo.
** ἄριστοι : Melhor.
Leonaert Bramer (1596–1674) [ A querela entre Odysseus e Ajax ] (c. 1625-1630) [ Museum Het Prinsenhof ]
📄 Leonaert Bramer (1596–1674)
[ A querela entre Odysseus e Ajax ] (c. 1625-1630) Óleo em Cobre
[ Museum Het Prinsenhof ]

Asmus Jacob Carstens (1754–1798) [ Philoctetes armando o Arco de Héracles a Odysseus ] (1790) [ Kupferstichkabinett Berlin ]
Asmus Jacob Carstens (1754–1798)
[ Philocthetes armando o Arco de Héracles a Odysseus ] (1790)
[ Kupferstichkabinett Berlin ]

Palladium ou Palladion

era uma imagem de culto na antigüidade em que foi dito prover a segurança de Tróia e mais tarde de Roma, a estátua de madeira (xoanon) de Pallas Athena que Odysseus e Diomédes roubaram da cidadela de Tróia ou que mais tarde foi levada para o futuro local de Roma por Enéas.

Nike (Vitória) oferece um ovo a uma serpente entrelaçada na coluna do Palladium de Tróia. (Relevo em mármore, cópia romana do final do século 1 d.C. de um original do período helenístico do neo-Ático.) [ Museu do Louvre ]
Nike (Vitória) oferece um ovo a uma serpente entrelaçada na coluna do Palladium de Tróia. (Relevo em mármore, cópia romana do final do I século d.C. de um original do período helenístico do neo-Ático.) [ Museu do Louvre ]

Mas, como Chalcas disse que Heleno sabia sobre os oráculos que protegiam a cidade, Ulysses capturou-o e levou-o para o campo; Heleno foi forçado a dizer como Ilium poderia ser tomada, a saber, em primeiro lugar, se os ossos de Pélops fossem trazidos para eles; Em seguida, se Neoptolemos lutasse por eles; e em terceiro lugar, se o Palladium, que tinha caído do céu, fosse roubado de Tróia, enquanto ele estivesse dentro dos muros da cidade, ela não poderia ser tomada. Ao ouvir estas coisas os gregos fizeram com que os ossos de Pélops fossem buscados, e enviaram Ulysses e Phoenix para Licomedes em Scyros, e estes dois persuadiram Neoptolemos a ir. Ao chegar ao acampamento e receberem os abraços do pai de Odysseus, que voluntariamente renunciaram, Neoptolemos matou muitos dos Troianos. Depois, Eurypylus, filho de Télefo, chegou para lutar pelos troianos, trazendo uma grande força de Mysianos. Ele realizou atos valentes, mas foi morto por Neoptolemos. E Ulysses foi com Diomédes a noite à cidade, e lá ele deixe Diomédes esperando, depois desfigurou-se dos traje, entrou desconhecido na cidade como um mendigo. E sendo reconhecido por Helena, ele com a ajuda dela roubou o Palladium, e depois de matar muitos dos guardas, trouxe-a para os navios com a ajuda de Diomédes. 📄 Apollódoros, Epítome [ Apollod. Epit. E.5 ]

Makhaon/Machaon [ Μᾰχάων ] Filho de Asclépio; com seu irmão Podalirius, liderou um exército da Tessália na Guerra de Tróia no lado dos gregos. Ambos Makhaon e Podalirius eram cirurgiões e médicos altamente valorados. Na Ilíada ele foi ferido e colocado fora de ação por Páris. Makhaon (ou seu irmão) curou Filoctétes, Telephos e Menelau. Ver complemento do Fragmento VIII.
Fragmento II [ Pseudo-Heródoto, A vida de Homero

"Eu canto de Ilium e Dardânia, a terra dos belos cavalos, em que os Danais, seguidores de Ares, sofreram muitas coisas."
"No início, Dardanos, filho de Zeus, que fundou a Dardânia, quando Ilion [ Tróia ] ainda não estava estabelecida na planície para os homens habitarem, e seu povo ainda se firmava nas esporas de muitos nas fontes do Monte Ida. Dardanos teve um filho, o Rei Erictônio, que era o mais rico de todos os homens que viviam, tinha três mil éguas que eram alimentados nas águas do prados, elas e seus potros, Boreas se apaixonou por eles quando estavam se alimentando, e cobriu-se na aparência de um garanhão soturno. Doze potros foram concebidos e carregaram-lo, e estes, com ele avançavam sobre a planície fértil, saltando por cima das hastes maduras do trigo sem quebrá-las, e eles corriam pelas costas largas de Oceanos quando podiam galopar sobre a crista das falésia. Erictônio gerou Tros, o Rei dos Troianos, e Tros teve três filhos nobres, Ilos, Assarakos, e Ganímedes, que era o mais cativante dos homens mortais; Por isso os deuses levaram-o para ser Copeiro de Zeus, por amor de seu beleza, ele pôde habitar entre os imortais. Ilos gerou Laomedon e Laomedon gerou Tithonos, Príamo, Lampos, Klytios e Hiketaon do batalhão de Ares. Mas Assarakos era pai para Kapys e Kapys de Anchises, que foi meu pai, enquanto Heitor é filho de Príamo." Enéias falando de sua linhagem para Achilles depois de ser tratado como uma criança tola. 📄 Homero, Ilíada [ Hom. Il. 20.199 ]
Fragmento III [ Escoliastes em Aristófanes, Cavaleiros 1056

A história é a seguinte: Ajax e Odysseus estavam discutindo a respeito de suas realizações, diz o poeta da Pequena Ilíada, e Nestor aconselhou os helenos a enviarem alguns dos seus em número para ir até ao pé das muralhas e ouvirem o quê era dito sobre o valor dos heróis citados acima. Os bisbilhoteiros ouviram certas meninas disputando, um deles dizendo que Ajax era de longe um homem melhor do que Odysseus e continuaram da seguinte maneira: "Ajax pegará e levará a contenda do heróico filho de Peleus: deste grande Odysseus, cuidaras para não fazer.". Para este a outra respondeu pelo artifício de Athena: "Ora, o quê é isso que você diz? Ou uma coisa contra a razão ou uma falsidade! Mesmo uma mulher poderia transportar a carga, uma vez que um homem tivesse colocado em seus ombros, mas ela não poderia lutar [...] Ela falharia pelo medo se ela devesse lutar."

Fragmento IV [ Eustáquio, 285.34 ]

"O escritor da Pequena Ilíada diz que Ajax não foi enterrado da forma habitual, mas foi simplesmente enterrado em um caixão, por causa da raiva do Rei."
[7] Mas depois ele caiu em si e matou também a si mesmo. E Agamêmnon proibiu de seu corpo ser cremado; e ele sozinho de todos os que caíram em Ilium está enterrado em uma caixão. Sua sepultura está em Rhoeteum. 📄 Apollódoros, Epítome [ Apollod. Epit. E.5.7 ]
Fragmento V [ Eustáquio em Homero, Il. 326 ]

"O autor da Pequena Ilíada diz que Achilles depois de lançar-se ao mar a partir do país de Telephos veio a pousar lá: "A tempestade atrasa Achilles, leva o filho de Peleus para Scyros, e ele entrou em um porto desconfortável ali naquela mesma noite." "
Telephos sai para o resgate e mata Thersandros, filho de Polinices, e este é ferido por Achilles. Quando eles saem da Mísia, uma tempestade vem sobre eles e espalha-os, Achilles é o primeiro a chegar em Scyros e casa com Deidámeia, a filha de Licomedes, e em seguida cura Telephos, que tinha sido levado por um oráculo para Argos, para que ele pudesse ser seu o guia na viagem para Ilium. 📄 Stasinos, Cípria [ Fragmento I ]
Fragmento VI [ Escoliastes em Píndaro, Nem. VII. 85 ]

"Sobre o eixo da lança havia um aro de ouro brilhante, e um ponto foi montado em cada extremidade."

Fragmento VI [ Escoliastes em Eurípides, Troades, 822 ]
"... a vinha que o filho de Cronos deu-lhe como uma recompensa por seu filho florescer ricamente com folhas macias de de ouro e uvas; Hefesto operou-o e deu-o a seu pai, Zeus, e ele concedeu-a a Laomedon como preço por Ganímedes."
Laomédon/Laomedonte [ Λαομέδων ] Rei de Tróia, filho de Ilus, pai de Príamo, Astyoche, Lampus, Hicetaon, Clytius, Cilla, Proclia, Aethilla, Medesicaste, Clytodora e Hesione. Tithonos é descrito pela maioria das fontes como sendo o seu mais velho filho legítimo; e a maioria das fontes omitem Ganímedes da lista de filhos de Laomédon, mas indicam ele como sendo seu tio. As possíveis esposas de Laomédon são Placia, Strymo (ou Rhoeo) e Leucippe; pela ex gerou a Tithonos e pela última o Rei Príamo.

« ὁ μὲν γὰρ Πρίαμος ἦν Λευκίππης, ὁ δὲ Τιθωνὸς Ῥοιοῦς ἢ Στρυμοῦς τῆς Σκαμάνδρου θυγατρὸς υἱός »
« Príamo era filho de Leucippe, enquanto que Tithonus era filho de Rhoeo ou Strymo, filha de Scamander »
Escoliastes em Lycophronem 18

Joachim von Sandrart (1606–1688) [ Laomedon/Laomedonte recusando pagamento de Posseidon e Apolo ] (Século 17) [ Hunterian Art Gallery (Glasgow, Scotland) ]
📄 Joachim von Sandrart (1606–1688)
[ Laomédon recusando pagamento de Posseidon e Apolo ] (Século XVII)
[ Hunterian Art Gallery (Glasgow, Scotland) ]

Ganimedes/Ganímedes/Ganimédes [ Γανυμήδης ] Herói divino cuja pátria era Tróia. Filho de Tros da Dardânia, de cujo nome "Tróia" foi supostamente derivado, e de Callirrhoe. Homero na Ilíada: Ganimedes, que era o mais cativante dos homens mortais; Por isso os deuses levaram-o para ser Copeiro de Zeus, por amor de seu beleza, ele pôde habitar entre os imortais.

Charles-Amédée-Philippe van Loo (1719-1795) [ Ganimedes entrando no Olimpo ] (1768) [ Marmorsaal, New Palace (Potsdam) ]
📄 Charles-Amédée-Philippe van Loo (1719-1795)
[ Ganimédes entrando no Olimpo ] (1768)
[ Marmorsaal, New Palace (Potsdam) ]

| | | | | |

Fragmento VIII [ Pausânias, Descrição da Grécia Paus. 3.26 ]
[9] Aqui em Gerenia há um túmulo para Machaon, filho de Asclépio, e um santuário sagrado. Em seu templo homens podem encontrar curas para doenças. Eles chamam de Rhodos, o lugar sagrado; há uma estátua de bronze em pé para Machaon, com uma coroa em sua cabeça que as messênios dizem kiphos na liguagem das vozes locais.
O autor do épico A Pequena Ilíada diz que Machaon foi morto por Eurypylus, filho de Télefo.
Eu não sei a razão da prática no templo de Esculápio em Pérgamo, onde eles começam os seus hinos com Telephos mas não fazem referência a Eurypylus, ou o cuidado de mencionar o seu nome no templo em tudo, ou como eles sabem que ele foi o matador de Machaon. Dizem que os ossos de Machaon foram levados para casa por Nestor, mas que Podaleirius, quando eles estavam retornando após o saque de Tróia, levado a cabo o seu curso, atingindo Syrnus no continente Cariano, em segurança lá se estabeleceram. Pausânias, Descrição da Grécia [ Paus. 3.26 ]

[1] Penthesíleia, filha de Otrere e Ares, matou acidentalmente Hipólito e foi purificada por Príamo. Na batalha matou muitos, e entre eles Machaon, e foi depois morta por Achilles, que caiu de amor pela Amazona depois de sua morte e Thersítes foi morto por ficar zombando dele. 📄 Apollodorus, Epítome [ Apollod. Epit. E.5 ]
Fragmento IX [ Homero, Odisséia IV. 247 e Escoliastes ]

[240] Sobre todas as coisas, eu não posso dizer ou narrar, mesmo todos os trabalhos de Odysseus, do coração firme; mas uma coisa foi isto, que aquele poderoso homem forjado suportou na terra dos cavalos de Tróia, onde Aqueus sofreram desgraças!
Estragar o seu próprio corpo com golpes cruéis, [245] arremessando uma peça de vestuário miserável ​​sobre os ombros, na forma de um escravo ele entrou na cidade em plena vista do inimigo, e ele escondeu-se sob o aspecto de um outro, um mendigo, aquele que era de modo algum um daqueles dos navios dos Aqueus.
Neste semelhança entrou na cidade dos troianos, e todos eles eram como babes. [250] 📄 Homero, Odisséia [ Hom. Od. 4.219 ]
O poeta cíclico usa "mendigo" como substantivo, e assim significa dizer que, quando Odysseus mudou as suas roupas e colocou-se em trapos, não havia ninguém tão bom para nada nos navios como Odysseus. Escoliastes
Fragmento X [ Plutarco, Moralia, p. 153 F ]

E Homero apresentou os seguintes versos quando com Lesches:
"Musa, diga-me das coisas que não aconteceram antes, nem depois destas que hão de ser."
E Hesíodo respondeu-lhe:
"Mas quando os cavalos nos carros bateram os cascos no naufrágio, esforçando-se para a vitória sobre o túmulo por Zeus".
E diz-se que, por causa desta resposta, especialmente admirada, que Hesíodo ganhou o tripé (jogos fúnebres de Amphidamas).

Fragmento X [ Escoliaste em Lycophr, 344 ]
Sinon, como tinha sido combinado com ele, secretamente, mostrou um sinal de luz para os helenos. Assim Lesches escreve: "Era meia-noite, ea lua clara estava subindo."
As tentativas de definir o mês e dia da queda de Tróia começam com esta linha ( "Era meia-noite, ea lua clara estava subindo." ). De acordo com John Forsdyke, que escreve em seu Grécia, Antes de Homero, Cronologia Antiga e Mitologia: "Esta afirmação inocente está torcida por uma troca de preposições, "ana" (para cima) e "epi" (sobre), no sentido de que uma lua brilhante estava subindo, e uma ligeira extensão do sentido fez a lua brilhante como a lua cheia, não sendo a lua cheia. Subir à meia-noite quando se trata mais próxima da lua cheia, isto é, quando a meia-noite crescente vem mais próxima da lua cheia, a última lunação antes do solstício de verão. Os gregos foram incapazes de calcular as condições astronômicas deste fenômeno, mas eles identificaram-no empiricamente com uma possível variação do dia do mês. O Escoliaste em Hécuba de Eurípedes explica que tal lua nasce à meia-noite, no oitavo dia do final do mês e não em qualquer outro dia. Eurípides reconhece esse fato, ele faz o seu Coro de Mulheres Troianas dizer: 'No meio da noite eu estava destruída.' Uma outra indicação de Escoliastes implica em outro dia, o décimo segundo de Thargelion, adotado pelos Helênicos e outros, não derivado da observação lunar. A data astronômica é definida por Dionísio:

"Tróia foi tomado no fim do verão, 17 dias antes do solstício, no oitavo dia antes do fim do mês de Thargelion pelo calendário Ático. Restavam 20 dias após o solstício para completar esse ano."

O ano Ático começa no solstício de verão. O dia especificado da Crônica/Mármore Parian, o sétimo desde o final de Thargelion (Maio-Junho), é o mesmo que esse, a aparente discrepância sendo devido à alocação da mesma noite para dias diferentes. O dia Grego começava ao pôr-do-sol, o dia Romano à meia-noite.

[ Mármore Parian ] [ A partir de quando Tróia foi tomada, 945 anos, na posição 2º ano que [Menesthe]us era Rei de Atenas, no 7º dia antes do final do mês Th[Argelio]n. ] [ A data expressa em termos modernos é 05 de junho de 1209 A.C.. ] [ University of Oxford ]
[ Mármore Parian ] [ A partir de quando Tróia foi tomada, 945 anos, no 2º ano que [Menesthe]us era Rei de Atenas, no 7º dia antes do final do mês Th[Argelio]n. ]
[ A data expressa em termos modernos para A Queda de Tróia é 05 de junho de 1209 A.C.. ]
[ University of Oxford ] 📄

Fragmento XI [ Pausânias, Descrição da Grécia (Paus. 10-11) ]
[5] Além de Helena, um homem envolto em um manto púrpura está sentado em uma atitude de desânimo mais profundo; pode-se conjecturar que ele era Helenos, filho de Príamo, mesmo antes de ler a inscrição. Perto de Helenos está Meges, que está ferido no braço, como Lescheos de Pirra, filho de Aeschylinus, descreve no Saque de Tróia. Diz que ele foi ferido por Admetus, filho de Augeias, na batalha em que os troianos lutaram à noite. Pausânias, Descrição da Grécia (Paus. 10.25.5)

[6] Ao lado de Meges também está pintado Licomedes, filho do Creonte, que tem uma ferida no pulso; Lescheos diz que ele foi ferido gravemente por Agenor. Por isso, é claro que Polygnotus não teria representado-los tão feridos, se ele não tivesse lido o poema de Lescheos. No entanto, ele pintou Licomedes ferido também no tornozelo, e mais uma vez na cabeça. Euryalus filho de Mecisteus também recebeu um ferimento na cabeça e outro no pulso. Pausânias, Descrição da Grécia (Paus. 10.25.6)

[7] Estes estão pintadas mais acima do que Helena no quadro. Ao lado de Helena tem a mãe de Theseus, com a cabeça raspada, e Demofonte, um dos filhos de Theseus, está considerando, a julgar por sua atitude, se vai ser possível para ele resgatar Aethra. Os Argives dizem que Theseus teve também um filho chamado Melanippus pela filha de Sinis, e que Melanippus ganhou uma corrida, a corrida quando os Epígonos, como são chamados, realizaram a segunda celebração dos Jogos de Neméia, o que vem a ser o primeiro de Adrastos. Pausânias, Descrição da Grécia (Paus. 10.25.7)

[8] Lescheos diz de Aethra que, quando Tróia foi tomada, foi sorrateiramente até o acampamento grego. Ela foi reconhecida pelos filhos de Theseus, e Demofonte pediu-a para Agamêmnon. Ele estava pronto para conceder a favor de Demofonte, mas disse que Helena deveria dar o seu consentimento. Ele enviou um arauto, e Helena concedeu-lhe o favor. Então, na pintura Eurybates, ele aparece estar chegando à Helena para perguntar sobre Aethra, e estar dizendo o quê ele mandou dizer para Agamêmnon. Pausânias, Descrição da Grécia (Paus. 10.25.8)

[9] As mulheres de Tróia são representadas como já estando cativas e lamentando. Andrômaca está na pintura, e perto está o seu menino segurando seu seio; Esta criança, Lescheos diz que foi condenada à morte arremessada a partir da torre, não que os gregos tinham assim determinado, mas Neoptolemos, por sua própria vontade, estava disposto a matá-lo. Na pintura também há Medesicaste, outra das filhas ilegítimas de Príamo, que de acordo com Homero* deixou sua casa e foi para a cidade de Pedaeum para ser a esposa de Imbrius, filho de Mentor. Pausânias, Descrição da Grécia (Paus. 10.25.9)
📄 * Homero, Ilíada 13.171
[10] Andrômaca e Medesicaste estão vestindo véus, mas o cabelo de Polyxena está trançado, segundo o costume das donzelas. Poetas cantam a sua morte no túmulo de Achilles, tanto em Athenas e em Pérgamo ou em Calcus. Eu vi a tragédia de Polyxena retratada na pintura. Pausânias, Descrição da Grécia (Paus. 10.25.10)

[11] O artista pintou Nestor com um elmo na cabeça e uma lança na mão. Há também um cavalo, na altura de um ponto se transforma em poeira. Até o cavalo há uma praia do que parece ser seixos, mas além do cavalo, no mar a cena se quebra. Acima das mulheres entre Aethra e Nestor estão outras mulheres cativas, Clymene, Creusa, Aristomache e Xenodice. Estesícoro, no Saque de Tróia, inclui Clymene no número das cativas; E da mesma forma, nas Declarações, ele fala de Aristomache como filha de Príamo com a sua esposa Critolaus, filha de Hicetaon. Mas eu não conheço nenhum poeta e nenhum prosador que faça menção à Xenodice. Sobre Creusa a história é contada que a mãe dos deuses e Afrodite a resgataram da escravidão entre os gregos, quando ela era, naturalmente, a esposa de Enéias. Mas Lescheos eo escritor do poema épico Cípria trazem Eurídice como mulher de Aeneas [ Enéas ]. Pausânias, Descrição da Grécia (Paus. 10.26.1)

Pinturas de Polygnotus em Delfos.

Fragmento XII [ Aristófanes, Lisístrata CLV & Escoliastes ]
"Menelau, pelo menos, quando ele teve um vislumbre de alguma forma dos seios nus de Helena, jogou fora a sua espada, pensando nele."

"Lescheos, o Pyrrhaean, também tem o mesmo relato em sua Pequena Ilíada." Escoliastes

Fragmento XIII [ Escoliastes em Lycophron Alexandra, 1268 ]
"Então, o filho brilhante de Achilles ousou levar a esposa de Heitor para os navios vazios, mas seu filho, ele arrancou do seio da sua ama pelos ricos cabelos e agarrou-o pelo pé e lançou-o de uma torre. Então, ele caiu para a morte sangrenta, duro destino de Astyanax. Neoptolemos escolheu Andrômaca, esposa bem-cingida de Heitor, e os chefes de todos os Aqueus deu-lhe a ele para assegurar a sua gratidão como um prêmio de boas-vindas. E pôs Aeneas [ Enéas ], o famoso filho do domador de cavalos Anchises, a bordo de seus navios, lançou-se ao mar, um prêmio superior à de todos os gregos."
Astyanax [ Ἀστυάναξ ] Filho de Heitor, que era o príncipe de Tróia e marido da princesa Andrômaca de Cilician Tebana. Seu nome de nascimento era Scamandrios [ Σκαμάνδριος ou Σκάμανδρος, pelo Rio Scamander ] mas o povo de Tróia o apelidou de Astyanax (ou seja, Alto Rei, ou Senhor da cidade, protetor da cidade), porque ele era o filho do grande defensor da cidade (Ilíada VI, 403) e o aparente herdeiro primogênito.

mensagem

Ciclo Épico [ Ἐπικός Κύκλος ]


[ A Guerra dos Titãs [ Τιτανομαχία ] ]

📄Fragmento I | 📄Fragmento II | 📄Fragmento III | 📄Fragmento IV | 📄Fragmento V | 📄Fragmento VI | 📄Fragmento VII | 📄Fragmento VIII

[ Ciclo de Tebas [ Θηβαϊκὸς Κύκλος ] ]

📄A História de Édipo [ Oedipodea ] | 📄A Tebaida [ Θηβαΐς ] | 📄Epígono [ Ἐπίγονοι ]

[ Ciclo de Tróia [ Ἰλίου Κύκλος ] ]

[ Cantos Cípricos ou Cípria [ Κύπρια ] ] 📄Fragmento I | 📄Fragmentos II-III-IV | 📄Fragmentos VII-XIV | 📄Fragmentos XV-XXII
📄Etiópida [ Αἰθιοπίς ] | 📄A Pequena Ilíada [ Ἰλιὰς μικρά ] | 📄O Saque de Tróia [ πέρσις Ἰλίου ] | 📄Nóstoi [ Νόστοι ] | 📄Telegonia [ Τηλεγόνεια ]