05 julho, 2016

Iliupersis [ πέρσις Ἰλίου "O Saque de Ilium" ]


Atribuído a Gillis van Valckenborch, também chamado de Egidius van Valckenborch (1570-1622) [ O Saque de Tróia ] () []
Atribuído a Gillis van Valckenborch, também chamado de Egidius van Valckenborch (1570-1622)
[ O Saque de Tróia ] () []

Iliou Persis/Iliupersis [ πέρσις Ἰλίου "O Saque de Ilium" ] também conhecido como "O Saque de Tróia", épico perdido da literatura grega da antigüidade, fazendo parte do Ciclo Épico no Ciclo de "Tróia", a história da Iliupersis vem cronologicamente após o da Pequena Ilíada, e é seguido por Nostoi ( "O Returno" ), atribuída às vezes por escritores antigos a Arctinos de Mileto, composto por dois livros de verso, provavelmente composto no século VII a.C., mas há muita incerteza, as fontes antigas datam Arctinus no século VIII a.C..
Johann Georg Trautmann (1713–1769) [ Vendo Tróia queimar ] () [ Coleção do Grã-duque de Baden, Karlsruhe ]
Johann Georg Trautmann (1713–1769)
[ Vendo Tróia queimar ] ()
[ Coleção do Grã-Duque de Baden, Karlsruhe ]

Apenas dez linhas do texto original de Iliou Persis sobreviveram, o enredo que há quase que inteiramente dependente de um resumo dos poemas do Ciclo Épico contido na Chrestomatheia escrita pelo desconhecido "Proclus" (possivelmente identificado com o gramático do 2º século a.C., Eutychius Proclus). Algumas outras referências dão indicações do enredo do poema, uma outra impressão do conteúdo do poema pode ser visto no livro II da Eneida de Virgílio (escritos muitos séculos após a Iliou Persis) que conta a história de um ponto de vista de Tróia, diferentes fontes dão detalhes de modos diferentes: por exemplo, o modo da partida de Enéias de Tróia, ou a identidade do assassino de Astyanax. O poema abre com os troianos discutindo o quê fazer com o cavalo de madeira que os gregos deixaram, Cassandra e Laocoonte proclamam que existe uma força armada de gregos dentro, mas outros dizem que é uma relíquia de Athena. A última opinião prevalece e os troianos comemoram a sua vitória aparente. Posseidon, por sua vez, envia um mau presságio na forma de duas cobras que matam Laocoonte e seu filho; vendo isso, Enéias e seus homens saem de Tróia na expectativa do quê está por vir.
Adam Elsheimer (1578–1610) [ A Queima de Tróia ] (1601) [ Alte Pinakothek ]
📄 Adam Elsheimer (1578–1610)
[ A Queima de Tróia ] (1601)
[ Alte Pinakothek ]

[ Fragmento I: Resumo de Proclus da Ilioupersis, atribuído a Arctinos de Mileto ]
[A Ilioupersis ( A Destruição de Ilium ), em dois livros que segue a Pequena Ilíada.]

Os troianos, suspeitos sobre o cavalo, ficaram se perguntando o quê deveriam fazer. Alguns queriam empurrá-lo para um penhasco, alguns queriam queimá-lo, e alguns dizem que é ἱερός* e queriam dedicá-lo à Athena. No final, a opinião do terceiro grupo ganha. Eles se entregam a alegria, festejando como se tivessem sido libertados da guerra. Neste ponto, duas serpentes aparecem e destroem Laocoonte e um de seus filhos. Enéas e seus seguidores sentem crescer o desconforto com esta maravilha, e retiram-se para o Monte Ida. Sinon, que já tinha entrado entre os troianos com algum pretexto, usa luzes de sinalização para os Aqueus, que navegam de volta de Tenedos, e os do cavalo de madeira caem sobre seus inimigos. Eles matam muitos e tomam a cidade pela força. Neoptolemos mata [Rei]Príamo, que se refugiou no altar de Zeus Herkeios. Menelau assassina Deífobo, ele encontra Helena e leva-a para os navios. Ajax, filho de Oileus, leva Cassandra pela força, arrastando-a para longe da estátua de madeira [ ξόανον** ] de Athena. Os Aqueus, irritados com isso, querem apedrejar Ajax até à morte, mas ele se refugia no altar de Athena, e assim é preservado do perigo imediato. Os Aqueus transformam a cidade em uma tocha. Eles abatem Polyxena no Túmulo de Achilles. Odysseus mata Astyanax e Neoptolemos leva Andrômaca como prêmio. O resto dos despojos são distribuídos. Demofonte e Akamas encontram sua mãe Aithra e levam-na com eles. Em seguida, os Aqueus velejam, enquanto Athena destrói parcela deles nos mares.
* ἱερός: preenchido com, termo duvidoso.
** ξόανον: imagem esculpida, termo duvidoso.
Louis de Silvestre (1675–1760) [ Ulisses tira de Andrômaca o menino Astyanax ] (1708) []
Louis de Silvestre (1675–1760)
[ Odysseus tira de Andrômaca o menino Astyanax ] (1708) []

Daniel van Heil (1604–1664) [ Cidade Incendiada ] (Século XVII) [ Museu do Prado ]
📄 Daniel van Heil (1604–1664)
[ Cidade Incendiada ] (Século XVII)
[ Museu do Prado ]

E ao romper do dia, quando os troianos viram o acampamento dos gregos deserto, acreditaram que eles tinham fugido, com grande alegria arrastaram o cavalo, e estacionando-o ao lado do Palácio de Príamo, deliberaram sobre o quê deviam fazer. Como Cassandra disse que havia uma força armada nele, e ela foi ainda confirmada por Laocoonte, o vidente, alguns queriam queimá-lo, e outros jogá-lo num precipício; mas como a maioria era a favor de poupá-lo como uma oferenda sagrada a uma divindade, e dirigi-lo ao sacrifício e banquete. No entanto, Apolo enviou-lhes um sinal; por duas serpentes que nadaram pelo mar das Ilhas vizinhas e comeram os filhos de Laocoon. E quando a noite caiu e todos estavam mergulhados no sono, os gregos se aproximaram por mar de Tenedos, e Sinon acendeu o farol no túmulo de Achilles para orientá-los. E Helena, as volta do cavalo, chamou os chefes, imitando as vozes de cada uma de suas esposas. Mas quando Anticlus respondeu, Odysseus calou a sua boca. E quando eles pensaram que seus inimigos estavam dormindo, abriram o cavalo e saíram. O primeiro, Echion, filho de Portheus, morreu por saltar dele; mas o resto deixou-o por uma corda, e iluminado as muralhas e tendo aberto as portas eles deixaram entrar os seus companheiros que haviam desembarcado vindos de Tenedos. 📄 Apollódoros, Epítome [ Apollod. Epit. E.5 ]

El Greco (Domenikos Theotokopoulos) (1541–1614) [ Laocoön Laocoonte ] (c. 1610 - 1614) [ National Gallery of Art ]
📄 El Greco (Domenikos Theotokopoulos) (1541–1614)
[ Laocoön / Laocoonte ] (c. 1610 - 1614)
[ National Gallery of Art ]

[ CXXXV. LAOCOON ] Laocoonte, filho de Acetes, irmão de Anquises e sacerdote de Apolo, contra a vontade de Apolo se casou e teve filhos. Por destino ele foi nomeado para sacrificar a Netuno na costa. Nesta oportunidade apresentou-se Apolo enviando duas cobras de Tenedos sobre as ondas do mar para matar os seus filhos, Antiphantes e Thymbraeus. Quando Laocoonte tentou ajudá-los, as cobras o mataram também. Os frígios dizem que isso aconteceu porque Laocoonte jogou sua lança contra o Cavalo de Tróia. 📄 HYGINUS, FABULAE [135] CXXXV. LAOCOON
[ Fragmento II: Dionísio de Halicarnasso, Antigüidades Romanas I. 68 ]
De acordo com Arctinos, o Palladium foi dado a Dardanos por Zeus, e este estava em Ilium até a cidade ser tomada. Ele estava escondido em um lugar secreto, e uma cópia foi feita parecida com o original em todos os pontos e colocada para que todos pudessem ver, a fim de enganar aqueles que pudessem ter projetos contra ele. A cópia, os Aqueus levaram como resultado de seus espólios.

[ Fragmento III: Escoliastes em Eurípides, Andrômaca X ]
O poeta cíclico, que compôs o Saque, diz que Astyanax também foi lançado da muralha da cidade.
Andrômaca entra em casa. Ela toma seu lugar como uma suplicante diante do altar de Thétis na orquestra.

Andrômaca

"Glória da Ásia, cidade de Tebas! Foi de ti que vim, eu, Andrômaca, uma vez vinda coberta com luxo em ouro para a casa real de Príamo, dada a Heitor como esposa legítima para dar-lhe seus filhos. [5] Em tempos passados, fui uma mulher que foi invejada, mas agora o quê eu sou, uma mulher qualquer como outras eram, o paradigma da miséria. Eu vi meu marido Heitor morto pela mão de Achilles e vi Astyanax, o filho que eu trazia de meu marido, ser arremessado das altas ameias* quando os gregos capturaram a terra de Tróia. Eu mesmo, membro de uma casa livre, tornei-me uma escrava e fui trazida para a Grécia, dada como o mais disputado despojo Troiano [15] [...]"
📄 Eurípides, Andrômaca [ Eur. Andr. 1 ]
* Ameia, em arquitectura militar, é a abertura no parapeito das muralhas de um castelo ou fortaleza por onde os defensores visavam o inimigo.

Jacques-Louis David (1748–1825) [ A Tristeza de Andrômaca ] (1783) [ Pushkin Museum ]
📄 Jacques-Louis David (1748–1825)
[ A Tristeza de Andrômaca ] (1783)
[ Pushkin Museum ]

Frederic Leighton (1830–1896) [ Andrômaca Cativa ] (c. 1886-1888) [ Manchester Art Gallery ]
📄 Frederic Leighton (1830–1896)
[ Andrômaca Cativa ] (c. 1886-1888)
[ Manchester Art Gallery ]

[ Fragmento IV: Escoliastes em Eurípides, Troades/As (Mulheres) Troianas 31 ]
Para os seguidores de Acamas e Demofonte não se tomou nenhuma quota, se disse, dos despojos, mas apenas Aethra, por quem, de fato, eles foram para Ilium com Menesteu para levá-la. Lisímaco, no entanto, diz que o autor do Saque que escreve o seguinte:
"O Senhor Agamêmnon deu presentes aos filhos de Theseus e ao corajoso Menesteu, Pastor dos Exércitos.

Posseidon
Das profundezas inundações salgadas do Egeu, eu, Posseidon, vim, onde os coros das Nereidas dançam graciosas em um labirinto; Desde o dia em que com Phoebus na medida exata [5] estabelecemos as torres de pedra sobre esta terra de Tróia, fazendo uma cúpula, nunca em meu coração passou a gentileza sentida para com a minha cidade frígia, que agora está latente e derrubada, uma cativa no poder Argivo. Pois, a partir de sua casa sob Parnassus, o Fócio Epeus, auxiliado pela arte de Pallas, emoldurou um cavalo para carregar dentro de seu ventre um exército armado, enviado para dentro das ameias, uma estátua mortal; [a partir do qual, nos dias que virão, os homens vos dirão do cavalo de madeira, com a sua carga escondida de guerreiros.] [15] Bosques desamparados eo templo dos deuses partidos com sangue, e na própria base do altar, diante do deus que assistiu sua casa, Príamo jaz morto. Enquanto os navios Aqueus como grandes lojas de despojos de ouro e com os frígios sendo seqüestrados, [20] os que vieram contra esta cidade, aqueles filhos de Hellas, só esperam uma brisa que favoreça para seguir no seu rastro, que, depois de dez longos anos, poderão com alegria olharem as suas esposas e filhos. Vencido por Hera, a deusa Argive, e por Athena, que ajudou a arruinar a Frígia, [25] Estou deixando Ilium, a cidade famosa, e os meus altares; Enquanto a desolação sombria apreende a cidade, o culto dos deuses decai e tende a perder o respeito. Nas bancadas do Scamander reecoam os muitos gritos das serviçais domésticas em cativeiro, uma vez que, por sorteio, recebem seus mestres. [30] Arcádia leva algumas, e outras para o povo da Tessália; outras são atribuídas aos filhos de Theseus, os chefes de Atenas. E as mulheres de Tróia ainda não repartidas estão nestas tendas, separadas para os chefes do exército; e com elas a Espartana Helena, [35] filha de Tíndaro, justamente contada entre as cativas. E se pode ver a Rainha da Miséria, Hécuba; Além dali, encontrada diante dos portões, chorando as muitas lágrimas das muitas dores; No túmulo de Achilles [40], sem o seu conhecimento, sua filha Polyxena morreu mais compassiva; Príamo desaparecido, e seus filhos também; Cassandra, a quem o Senhor Apolo deixou ser virgem, agora, uma frenética empregada doméstica forçada por Agamêmnon, no desprezo da ordenança de deus e da piedade, um casamento desonrado. [45] Adeus, ó outrora cidade próspera! Adeus as suas muralhas de pedra polida! Se Pallas, filha de Zeus, não tivesse decretado a sua ruína, você ainda estaria firme. Euripides, Troades/As (Mulheres) Troianas [ Eur. Tro. 1 ]


Scamander/Skamandros/Xanthos [ Σκάμανδρος, Ξάνθος ] Deus do rio Scamander, filho de Oceanos e Tétis(deusa, não confundir com a ninfa mãe de Achilles) segundo Hesíodo. Por Idaea, ele foi pai do Rei Teucer, também mencionado como o pai de Glaucia. Scamander lutou ao lado dos troianos (Ilíada XX, 73/74; XXI) depois que o herói grego Achilles insultou-o. Scamander tentou matar Achilles três vezes, e o herói só se salvou devido à intervenção de Hera, Athena e Hefesto. Neste contexto, ele é a personificação do Rio Scamander que fluiu do Monte Ida através da planície abaixo da cidade de Tróia, juntando-se ao norte da cidade no Helesponto. Os Aqueus, de acordo com Homero, tinham montado seu acampamento perto de sua foz, e suas batalhas com os troianos foram travadas na planície do Scamander. Na Ilíada XXII (149ff), Homero afirma que o Rio tinha duas correntes: uma produzia água morna; o outra água fria, independentemente da estação.

Auguste Couder (1790–1873) [ Água, ou A luta de Achilles contra Scamander e Simoei ] (1819) [ Louvre Museum ]
📄 Auguste Couder (1790–1873)
[ Água, ou A luta de Achilles contra Scamander e Simoei ] (1819)
[ Louvre Museum ]


Aethra/Aithra [ Αἴθρα "céu brilhante" ] Mãe de Theseus (seu pai era o Rei Egeu de Athenas, ou em algumas versões, Posseidon), filha do Rei Piteu de Troezen. Egeu/Aegeus foi para Troezen, uma cidade, sudoeste de Athenas, que tinha como patronos Athena e Posseidon, onde Piteu achou Aegeus bêbado de vinho e colocou-o na cama de sua filha. Seguindo as instruções de Athena em um sonho, ela deixou Aegeus dormir e atravessou a Ilha de Sphairia que ficava perto da costa de Troezen. Lá, ela fez libações para Sphairos, e foi estuprada por Posseidon na mesma noite. Ficou grávida duplamente(?), Aegeus decidiu voltar para Athenas, antes de sair, ele cobriu suas sandálias, escudo e espada com uma enorme pedra, que serviu de altar primitivo ao Forte Zeus, e disse a Aethra que quando seu filho crescesse, ele deveria mover a pedra e trazer as suas armas de volta. Aethra fez o que lhe foi dito, e Theseus, recuperando as armas que eram suas por direito de primogenitura, cresceu para ser um grande herói. Mais tarde, quando velho, Theseus seqüestrou e estuprou Helena de Esparta, ainda uma menina, deu-lhe a Aethra em custódia. Os irmãos de Helena, os Dioscuri(Castor e Pólux), a resgatam e seqüestram Aethra em vingança. Ela é levada para Tróia com o seqüestro de Helena e lá permaneceu até ser encontrada por seu neto, Acamas, durante a queda da cidade.

Laurent de La Hyre (1606–1656) [ Teseu e Aethra ] (c. 1635-1636) [ Museu de Artes de Budapeste ]
📄 Laurent de La Hyre (1606–1656)
[ Theseus e Aethra ] (c. 1635-1636)
[ Museu de Artes de Budapeste ]

[ Fragmento V: Eustathius na Ilíada ]
Alguns dizem que tais elogios como este não se aplicam aos médicos em geral, mas apenas a Machaon, dizem que ele só praticava cirurgias, enquanto Podaleirius tratava das doenças. Arctinos no Saque de Ilium parece ser desta opinião quando ele diz:

"Do famoso pai, Salgada Terra, receberam, os dois, presentes, tornando cada um mais glorioso quê o outro, o que ele deu para um foram as mãos mais brilhantes para manejar cortes precisos na carne para curar todos os tipos de feridas, e no coração do outro, pôs pleno conhecimento, perfeito em prescrever para doenças ocultas e curar desesperadas enfermidades, foi ele quem primeiro notou em Ajax os olhos ea mente nublada quando ele ficou furioso."

Machaon e Podalirius são, de todas as outras fontes, filhos de Asclépio, e não da "Salgada Terra" (Posseidon).
[ Fragmento VI: Diomedes in Gramm. Lat. I. 477 ]
"O Iambus era um pouco parado e avançava, até que seus membros tensos, obtiveram energia e tiveram uma demonstração de força."

Iambus ou poesia iâmbica foi um gênero de poesia na antiga grega e cujas origens os modernos estudiosos têm rastreado até os cultos de Deméter e Dionísio. O gênero era caracterizado como insultuoso e de idioma obsceno.

Ciclo Épico [ Ἐπικός Κύκλος ]


[ A Guerra dos Titãs [ Τιτανομαχία ] ]

📄Fragmento I | 📄Fragmento II | 📄Fragmento III | 📄Fragmento IV | 📄Fragmento V | 📄Fragmento VI | 📄Fragmento VII | 📄Fragmento VIII

[ Ciclo de Tebas [ Θηβαϊκὸς Κύκλος ] ]

📄A História de Édipo [ Oedipodea ] | 📄A Tebaida [ Θηβαΐς ] | 📄Epígono [ Ἐπίγονοι ]

[ Ciclo de Tróia [ Ἰλίου Κύκλος ] ]

[ Cantos Cípricos ou Cípria [ Κύπρια ] ] 📄Fragmento I | 📄Fragmentos II-III-IV | 📄Fragmentos VII-XIV | 📄Fragmentos XV-XXII
📄Etiópida [ Αἰθιοπίς ] | 📄A Pequena Ilíada [ Ἰλιὰς μικρά ] | 📄O Saque de Tróia [ πέρσις Ἰλίου ] | 📄Nóstoi [ Νόστοι ] | 📄Telegonia [ Τηλεγόνεια ]