Mostrando postagens com marcador Mulheres Desprezíveis. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Mulheres Desprezíveis. Mostrar todas as postagens

09 abril, 2016

Viagens canceladas para evitar Temer no cargo do coração poder?

A presidente brasileira, Dilma Rousseff, não participará da cerimônia de acendimento da tocha olímpica dos Jogos do Rio-2016, prevista para o dia 21 de abril, em Olímpia, na Grécia, anunciou nesta sexta-feira (8) o Comitê Olímpico grego (COH).

"A presença da senhora Rousseff estava prevista, mas a embaixada brasileira nos informou hoje que ela não virá", explicou à AFP o porta-voz do COH, Tassos Papachristou. De acordo com Papachristou, o comunicado enviado pela embaixada não especifica os motivos do cancelamento da viagem da presidente.
Guerra Fria

Na última terça-feira (6), a presença de Dilma tinha sido confirmada pelo COH numa entrevista coletiva. A cerimônia acontecerá nas ruínas da antiga Olimpia, berço dos Jogos da Antiguidade.

Depois do acendimento, a tocha será entregue a autoridades olímpicas brasileiras, em outra cerimônia, realizada no dia 27 de abril, no estádio Panathinaikó de Atenas.

A assessoria de imprensa da Presidência argumenta que a visita não chegou a ser de fato cancelada, na medida em que "nunca foi confirmada oficialmente".

Viagens canceladas para evitar Temer no cargo?

No fim do mês passado, Dilma já havia cancelado uma viagem a Washington, capital dos Estados Unidos, onde deveria participar de uma cúpula sobre segurança nuclear. Na ocasião, uma fonte da presidência havia atribuído a mudança na agenda "ao atual contexto político" brasileiro. A cúpula aconteceu no dia 31 de março, dois dias depois do anúncio oficial da saida do PMDB da base aliada do governo.

Em meio ao processo de impeachment, especula-se que a Dilma prefere não viajar ao exterior para evitar que o vice-presidente Michel Temer, do PMDB, assuma a presidência, como é de praxe quando o chefe de Estado está fora do Brasil.


06 março, 2016

[ Mulheres Desprezíveis ] Margaret Louise Higgins

Margaret Louise Higgins (Corning, 14 de setembro de 1879 — 6 de setembro de 1966) foi enfermeira, sexóloga e feminista ativista norte-americana do controle de natalidade como método de controle populacional. Embora seja freqüentemente criticada por suas opiniões eugênicas como a proposta de incentivar o aborto em mulheres afro descendentes para reduzir a população negra dos Estados Unidos, permanece um ícone da luta por direitos reprodutivos.

“Aplicar uma estrita e rígida política de esterilização e segregação àquele grau da população cuja prole já seja manchada por algum defeito ou cujas características genéticas passadas de pai para filho sejam tais que traços censuráveis possam ser transmitidos aos descendentes.”
Sanger, "A Plan For Peace", Birth Control Review, April 1932, p. 106

“Manter as portas da imigração fechadas à entrada de certos estrangeiros cuja condição seja reconhecidamente prejudicial à força da raça, tais como retardados mentais e disléxicos, idiotas, lentos, loucos, portadores de sífilis, epiléticos, criminosos, prostitutas profissionais e outros nesta classe barrados pela lei de imigração de 1924.”
Sanger, "A Plan For Peace",
Birth Control Review, April 1932, p. 106

Margaret Louise Higgins